A GUARDA DO SÁBADO


Nossa esperança com o presente estudo é proporcionar esclarecimento e paz àqueles que não guardam o sábado. Se você se considera cristão, guarda o sábado e está feliz em fazê-lo, aconselhamos que não prossiga nessa leitura, a não ser que esteja em dúvida quanto à sua prática.

Começaremos analisando os argumentos geralmente usados para se defender a guarda do sábado e porque razão é incorreto aceitá-los como justificativa. Posteriormente, apresentaremos 10 razões que a própria Bíblia nos dá para não guardarmos o sábado, concluindo com uma palavra de paz, que esperamos não ser mal interpretada.

ARGUMENTOS USADOS ERRONEAMENTE COMO JUSTIFICATIVA PARA SE GUARDAR O SÁBADO

Argumenta-se que deveríamos guardar o sábado porque isso está ordenado nos dez mandamentos.

Quando Jesus foi questionado a respeito de qual seria o maior mandamento, ele não mencionou nenhum dos dez mandamentos (Mt 22:36-40). Mesmo assim, os sabatistas contra-argumentam, dizendo que o primeiro e maior mandamento mencionado por Jesus seria o resumo dos quatro primeiros 10 mandamentos e que o segundo mencionado por Jesus seria o resumo dos outros seis mandamentos. Mas tal interpretação não se encaixa no contexto desse ensinamento de Cristo, cujo propósito é revelar o fato de que ninguém pode amar a Deus sem que também ame o seu próximo, razão pela qual Jesus acrescentou que o segundo maior mandamento é semelhante ao primeiro. João, o apóstolo, muito bem esclareceu isso em sua epístola (1Jo 4:20). Ao final do seu ministério público o Senhor resumiu estes dois maiores mandamentos num único mandamento: "amai-vos uns aos outros assim como eu vos amei" (Jo 13:34; 15:12). Portanto, constar da lista dos 10 mandamentos não é justificativa para se guardar o sábado, uma prática que, por si só, nada contém de amor ao próximo. O porquê de a guarda do sábado constar nesses mandamentos ficará esclarecido mais adiante, quando compreenderemos mais a respeito da aliança entre Deus e os israelitas.

Argumenta-se que, se os apóstolos guardaram o sábado, deveríamos fazer o mesmo.
Os sabatistas usam os seguintes textos: Atos 13:42,44; 17:2; 18:4. No entanto, nenhum destes textos, ou qualquer outro, declara que os apóstolos guardavam o sábado. Essas passagens apenas revelam que Paulo também pregava no sábado, o que ocorreu somente enquanto ele buscava converter os judeus, valendo-se da estratégia de pregar nas sinagogas, as quais tinham maior contingente no dia de sábado. Uma vez impedido de continuar pregando a Cristo nas sinagogas, Paulo muda de estratégia e passa a pregar todos os dias na escola de Tirano (At 19:8-10). Além disso, há outras passagens que enfatizam reuniões cristãs ocorrendo no primeiro dia da semana, que é o domingo (At 20:7; 1Co 16:1-2).

Argumenta-se que, como discípulas guardaram o sábado, deveríamos também fazê-lo.
Usam o texto das mulheres que prepararam especiarias e unguentos para embalsamar o corpo de Jesus e que "no sábado repousaram, conforme o mandamento" (Lc 23:56). Mas, o texto refere-se ao mandamento da Moisés, não de Cristo. Aquelas mulheres eram judias e estavam em Jerusalém, portanto, se não guardassem o sábado seriam apedrejadas (Ex 31:14-15). Risco que, aliás, Jesus também correu (Mc 3:2-6; Jo 5:16-18).

Argumenta-se que deveríamos seguir o exemplo de Jesus, que guardou o sábado.
Usam o seguinte versículo: "Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, como era seu costume, e levantou-se para ler." (Lc 4:16) Apesar deste versículo não dizer que Cristo guardava o sábado, Jesus foi, de fato, o último homem — e também o único — a guardar toda a lei (Rm 10:4). E não poderia ser diferente, pois se Jesus não cumprisse toda a lei, ele não poderia nos justificar de nossos pecados. Ninguém mais, além de Jesus, conseguiu guardar toda a lei (Jo 7:19; Hb 4:15). Ele cumpriu a lei para nos resgatar da mesma (Gl 4:4-5; Rm 15:8-9; Cl 2:14). No entanto, Jesus permitiu que seus discípulos trabalhassem no sábado, como veremos mais adiante. É importante entender que Jesus não guardou o sábado para que seguíssemos o exemplo de guardar o sábado, mas o exemplo de amar o próximo (Gl 5:13-14). Ele se sacrificou guardando toda a lei por amor a cada um de nós, para que fôssemos libertos desse jugo da lei de Moisés. A lei serviu para nos mostrar o quanto estamos distantes do padrão de Deus, destruindo nosso orgulho, provando que todos somos pecadores, que todos necessitamos ser justificados em Cristo (Gl 3:22-24).

POR QUE UM CRISTÃO NÃO DEVE SENTIR-SE OBRIGADO A GUARDAR O SÁBADO

1 - A guarda do sábado faz parte de um pacto entre Deus e o povo israelita.

"Os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o nas suas gerações por aliança perpétua. Entre mim e os filhos de Israel será ele um sinal para sempre; pois em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, e ao sétimo dia descansou e tomou alento" (Ex 31:16,17 e também Dt 5:1-3,12; Ez 20:10-12) Desnecessário dizer que não somos israelitas, mas gentios convertidos a Cristo.

2 - A lei de Moisés foi cumprida por Jesus Cristo, que a superou com a lei do amor.
"O fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê." (Rm 10:4)
"mas o entendimento lhes ficou endurecido. Pois até o dia de hoje, à leitura do velho pacto, permanece o mesmo véu, não lhes sendo revelado que em Cristo é ele abolido" (2Co 3:14). O velho pacto é a antiga aliança de Moisés, com suas ordenanças, que em Cristo foi abolida (Ef 2:14-15). "Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa de dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados, que são sombras das coisas vindouras; mas o corpo é de Cristo" (Cl 2:16-17). Os sabatistas dizem que a palavra "sábado" em Cl 2:16-17 não se refere ao sábado semanal, mas aos anuais ou cerimoniais (Lv 23). Isso não é verdade, pois:
3.1) sábados anuais ou cerimoniais já estão inclusos na expressão "dias de festa".
3.2) A palavra grega usada neste texto é "sabatton" que em outras 59 passagens do NT se referem ao dia de sábado. Por que somente em Cl 2:16 seria diferente?
3.3) Se Paulo estivesse falando do sábado anual, ele deixaria isso bem esclarecido.

3 - Estamos em um novo e melhor concerto, ou aliança.
"Mas agora alcançou ele (Jesus) ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de um melhor pacto (aliança ou concerto), o qual está firmado sobre melhores promessas" (Hb. 8:6). Cristo instituiu uma nova aliança (Mt.26:28) que aprofundou os mandamentos da antiga, baseando-as no amor (Jo13:34;15:12,17; Rm 13:8-10; Gl 5:13-14; Tg 2:8). A lei dizia: "olho por olho, e dente por dente". Jesus disse: "não resistais ao mal; mas se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra" (Mt 5:38-39). Esta é uma mudança baseada no amor (Mt 5:46), que não exclui a lei (Mt 5:18) mas a transforma em lei do Espírito da vida (Rm 8:1-2). Quanto ao sábado, a Lei dizia que deveria ser guardado e santificado (Ex 20:8), mas no novo pacto quem precisa ser guardado e santificado é o povo de Deus, não só em um dia da semana, mas nos sete. Isso é pelo fato do sábado ser feito para o homem e não o homem para ser escravo do sábado (Mc 2:27-28).

4 - O sábado foi feito para o homem, não o homem para o sábado.
"O sábado foi feito para o homem, não o homem para o sábado; porque o Filho do homem é Senhor até do sábado." (Mc 2:27-28) Jesus chamou a si mesmo de Senhor do sábado, ou seja, ele está acima do sábado. Quem está em Cristo já entrou nesse descanso (Mt 11:30; Hb 4:3).

5 - Jesus permitia que seus discípulos trabalhassem no sábado.
"E sucedeu passar ele num dia de sábado pelas searas; e os seus discípulos, caminhando, começaram a colher espigas." (Mc 2:23) Os discípulos estavam violando a lei e não há como se negar isso. Os fariseus, ao perceberem a infração, questionam Jesus. Porém o Senhor defendeu os discípulos, ao invés de condená-los (Mc 2:23-28).

6 - Os sacerdotes podiam violar o sábado e em Cristo também somos sacerdotes.
"Ou não lestes na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa? Digo-vos, porém, que aqui está o que é maior do que o templo." (Mt 12:5-6) "e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai" (Ap 1:6a e também 1Pe2:5,9)

7 - Dentre os dez mandamentos, apenas o que trata do sábado não é mencionado no NT.
Todos os outros nove mandamentos são repetidos no Novo Testamento, como se vê: Adorar somente a Deus (50 vezes); contra idolatria (12 vezes); não tomar em vão o nome de Deus (4 vezes); honrar os pais (6 vezes); não matar (mais de 7 vezes); não adulterar (12 vezes); não furtar (6 vezes); não dar falso testemunho (4 vezes); não cobiçar (9 vezes). Mas o mandamento de guardar o sábado não é ordenado em parte alguma dos quatro evangelhos, nem no livro de Atos, nem nas epístolas, nem no apocalipse. No período neo-testamentário milhares de gentios converteram-se a Cristo. Se guardar o sábado fosse realmente necessário, não é óbvio que Paulo, o apóstolo dos gentios, teria ensinado isto aos novos convertidos? E em At 20:27 Paulo declara nunca ter deixado de anunciar todo o conselho de Deus. Logo, se conclui que a guarda do sábado não é aconselhada por Deus.

8 - O sábado não pode ser guardado em todo lugar do planeta.
De acordo com as instruções em Lv 23:32, o sábado deveria ser guardado de um pôr-do-sol até o outro. Mas, devido à inclinação do eixo da Terra, há muitos lugares no planeta em que o sol não se põe durante semanas e até mesmo meses! Isto acontece em determinadas estações do ano naquelas cidades. Como podem seus habitantes guardarem o sábado neste período? É impossível. Portanto, fica esclarecido que a guarda do sábado era um mandamento apenas para os israelitas. Este mandamento é inconciliável com a ordem do Senhor de fazer discípulos em todo o mundo.

9 - Os gentios convertidos não foram obrigados a guardar o sábado.
Os sabatistas ensinam que não haverá salvação para quem não guardar o sábado. O capítulo 15 de Atos também conta a respeito de judeus convertidos que ensinavam ser necessário aos gentios observar a lei de Moisés para serem salvos (At 15:5). A questão foi tão polêmica que Paulo e Barnabé viajaram à Jerusalém para encontrar-se com os apóstolos a fim de saber a posição destes a respeito. A conclusão de Pedro foi: "Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar? Mas cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus, do mesmo modo que eles também." (At 15:10-11) Tiago asseverou: "Julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue." (At 15:19-20) Como se vê, nesta lista não entrou a guarda do sábado. Não teria sido esta uma ocasião imperdível para se ensinar o quarto mandamento? Por que não o fizeram? Simplesmente porque este era um estatuto para os israelitas, não para todo o mundo.

10 - Os que atualmente guardam o sábado, ou agem com hipocrisia, ou ignoram como se deve guardá-lo.
O livro de Êxodo ensina como se devia guardar o sábado. Não se devia acender fogo (Ex 35:3), não se podia sair de casa (Ex 16:29), deveria se obrigar todos os que estivessem dentro de suas casas a também guardar o sábado (Ex 20:10) e, obviamente, não se podia obrigar outra pessoa a trabalhar em seu lugar. No entanto, nenhum desses preceitos bíblicos é observado pelos atuais sabatistas. Há, inclusive, reuniões em suas igrejas no sábado, para os quais muitos vão de ônibus, obrigando motoristas a trabalharem para eles. Até mesmo o simples uso da eletricidade no sábado seria condenável, pois obriga funcionários da companhia de energia a trabalhar no sétimo dia.

Conclusão

Como devemos tratar um cristão que insiste em guardar o sábado? Com amor e misericórdia, pois ainda que não seja necessário guardar o sábado, tal pessoa não o faz por mal, mas por falta de esclarecimento, pensando estar com isso agradando a Deus. Não devemos discutir com eles, pois a questão não é guardar ou não guardar o sábado, mas o ser uma nova criatura em Cristo. Por isso Paulo não condena tal pessoa, mas a vê como alguém "débil na fé", que ainda não compreendeu plenamente nossa liberdade em Cristo:

"Acolhei ao que é débil na fé, não, porém, para discutir opiniões. Um crê que de tudo pode comer, mas o débil come legumes; quem come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come, porque Deus o acolheu. Quem és tu que julgas o servo alheio? Para o seu próprio senhor está em pé ou cai; mas estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o suster. Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distingue entre dia e dia para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come para o Senhor não come e dá graças a Deus." (Romanos 14.1-6)

Concluimos esclarecendo que o presente estudo não defende a guarda do domingo. Defender a guarda do domingo é o extremo oposto de algo semelhante, o que significa continuar no mesmo erro. Para quem está em Cristo todos os dias são igualmente santos.
Voltar para Estudos



Igreja Bíblica Cristã

Sede: Av. Alzira Vargas, 863
Laranjal - São Gonçalo - RJ

Compartilhe!

Contato

contato@igrejabiblicacrista.org
+55 (21) 3606-5614

2014 - Capriles Web Designer
© Todos os direitos reservados.